Parentalidade e Educação Positiva, pela Drª Paula Campos

Os principais objetivos para uma parentalidade e educação positiva centram-se em identificar os fatores que influenciam os problemas de comportamento, o desenvolvimento infantil e comportamental e os fatores que promovem os comportamentos positivos.

De forma a lidar com birras, ser capaz de aplicar castigos e controlar a recusa de certos alimentos deverá estabelecer regras.

No desenvolvimento infantil e comportamental destacam-se três níveis: o pré-convencional (baseado na punição e recompensas) 3-7 anos, o nível convencional (baseado na conformidade social. Preocupação em ir ao encontro das expetativas dos outros) 8-14 anos e o pós- convencional (baseado nos princípios morais), depois dos 15 anos.

Algumas das causas que influenciam o aparecimento dos problemas concentram-se nos estilos parentais/educativos, na aprendizagem/modelagem, na interação coerciva entre os pais e a criança e na combinação de outros fatores.

Quando surgem problemas, a criança conta com os pais para o resolverem sem receio de serem criticadas. Positivos: há troca de afeto entre os pais e a criança deixando-a perceber que é amada, mesmo quando os pais impõem limites. Negativos: há uma satisfação imediata de todas as vontades da criança.

Transformar a “atenção negativa” em “atenção positiva”

Há algo na forma como respondemos ao “mau comportamento da criança” que as faz repetir esse mau comportamento, e muitas vezes a única coisa que as crianças querem é “Atenção”!

Valorizar as competências da criança. Fazer bem não significa ser excelente. Se numa área a criança não se sair bem, certamente terá outras áreas em que poderá sair-se bem.

Encontros para a brincadeira:

Os pais devem aproveitar para elogiar a criança, evitando colocar questões acerca do seu desempenho escolar e comportamental, fazer críticas ou impor regras.

Elogiar:

As crianças que são elogiadas interiorizam o reforço positivo e desenvolvem uma autoestima positiva, sentem-se competentes, confiantes e parecem precisar menos de elogios.

 

Tipos de elogios:

Elogios pouco específicos:

  • Que bom!
  • Linda Menina!
  • Isso mesmo!
  • Já é alguma coisa…
  • Muito bem!
  • Que bem feito!
  • Fantástico!

 

Elogios específicos:

  • Estás ai tão bem sentado enquanto eu faço isto.
  • Que linda casa, a que tu construíste!
  • Estou tão contente que tenhas dito “Obrigada”!  
  • Adoro quando pintas bem.  
  • Lindo menino por teres apanhado os blocos!
  • Fico muito contente quando vens para a mesa logo quando te chamo.

 

Moldar os comportamentos com as suas recompensas

Reforço Positivo:

Consiste na apresentação de uma consequência positiva após um comportamento adequado que fortalece o mesmo e aumenta o número de vezes que este poderá aparecer.

Pode ser dado sob a forma de elogios e sob a forma de afeto físico, mas também poderá incluir recompensas.

 

A regra do “PRIMEIRO/DEPOIS” ou “SE… ENTÃO…”

A diferença entre subornar e recompensar

A principal diferença é que o suborno é dado antes do comportamento acontecer. Uma recompensa, por outro lado, é dada por um comportamento positivo depois do comportamento adequado ter ocorrido.

 

Utilização correta do reforço:

-Reforçar somente os comportamentos positivos e nunca os negativos (se a criança fez birra não poderá obter o que deseja);

-Deverá ser fornecido imediatamente após o comportamento adequado;

-Nunca deverá ser combinado com críticas ou com sarcasmo;

-Devem ser importantes para a criança e variar ao longo do tempo;

-Durante a atribuição do reforço, os pais devem centrar-se no comportamento que querem ver repetido;

-Os reforços não devem ser guardados só para os comportamentos excelentes;

-Os elogios devem ser feitos de forma sincera.

 

Que recompensas podem ser utilizadas?

  • 30 Minutos a mais para ver televisão;
  • Tempo extra para brincar ou ler com os pais;
  • Ir ao parque;
  • Comer um gelado;
  • Ler banda desenhada;
  • Alugar um filme;
  • Ter um amigo a dormir em casa;
  • Decidir o que comer à sobremesa;
  • Sentar-se na cadeira do pai ao jantar;

 

Outro tipo de recompensas:

  • Tabelas e autocolantes;
  • Por vezes podemos utilizar autocolantes e tabelas para motivar as crianças a modificar o seu comportamento;
  • Saco surpresa e/ou pontos;

Num programa de pontos, a criança ganha pontos por comportamentos positivos. Depois, esta pode trocar estes pontos por reforços particulares, combinados previamente entre ela e os pais.

Caixa dos elogios:

Os pais prestam atenção áquilo que a criança faz melhor e escrevem em pedaços de papel que serão depositados na caixa;

No final da semana a caixa deve ser aberta em conjunto com a criança e as notas devem ser lidas para toda a família.

 

Pontos mais importantes num programa de recompensas concretas:

-Identifique apenas um comportamento positivo que deseja aumentar primeiro;

-Sente-se e explique o programa ao seu filho;

-Escolha o sistema de recompensas (estrelas e autocolantes são uma boa fonte de motivação para crianças em idade pré-escolar; as crianças de idade escolar gostam de ganhar pontos);

-As crianças pequenas devem ganhar qualquer coisa todos os dias, e as crianças em idade escolar devem ganhar qualquer coisa passados poucos dias;

-Certifique-se que consegue manter as suas regras;

-Combine sempre as recompensas concretas com recompensas sociais.

 

As tabelas e os pontos são apenas uma medida temporária. Uma vez que tenha ensinado ao seu filho um novo comportamento, poderá mantê-lo com reforços sociais como o elogio.

 

Lembre-se: se gosta de algo, reforce-o!

Princípios de uma parentalidade eficaz:

Características de um “bom patrão” e de um “mau patrão”

 

Princípios básicos:

  • Específicos claros;
  • Consistente;
  • Resposta positiva imediata;
  • Consequências significativas;
  • Resposta significativa frequente;
  • Equilíbrio entre o positivo e o negativo;

 

Contacte-nos  252 090 940  |  915 251 100